O prefeito, A TARDE e as placas de sinalização turística de Salvador

Diz a lenda que nós baianos estamos sempre ávidos por ajudar os visitantes, a ponto de levá-los pessoalmente ao destino quando nos perguntam na rua onde fica um determinado lugar, e que não nos furtamos a dar uma informação, ainda que para isso sejam dadas pistas falsas. As placas de sinalização trilíngues espalhadas por Salvador são um ótimo exemplo.

Em visita de cortesia ao jornal A TARDE no final de 2004, o então prefeito eleito de Salvador João Henrique Carneiro anunciou algumas das intervenções prioritárias que planejava para a cidade.

Ao ressaltar o perfil turístico da capital, criticou a inexistência de sinalização adequada e declarou a sua intenção de espalhar pelos circuitos principais da Soterópolis placas em português e inglês, para ajudar os estrangeiros.

Seu interlocutor principal, um dos diretores do diário, tomou a palavra e franzindo o rosto em sinal de que tinha uma brilhante contribuição ao debate e fez uma advertência.

Sugeriu que as placas trouxessem também a versão em espanhol, para que a prefeitura não fosse acusado de subordinar-se ao “imperialismo”. Em silêncio, fiz o registro do encontro, que ocuparia um pequeno espaço da edicão do dia seguinte, com direito a foto.

Meses depois, Salvador começou a ganhar indicações como Faro de la Barra/ Barra’s Lighthouse, Bonfim’s Church/Iglesia del Bonfim e coisas afins. Essa tradução literal de nomes próprios ajuda em alguma coisa?

Agora que a cidade está se preparando para a Copa, será que a medida vai ser expandida? Pelo menos, o Pau Miúdo não fica no circuito turístico. Não acredito que alguém viaje de tão longe em busca disso.