Talvez no tempo da delicadeza

Markus Lundell (François Damiens) é um sueco alto, feio e desengonçado que deixou a sua terra para viver coisas diferentes em Paris, onde trabalha em uma empresa de seu país de origem.  Sem muitos atrativos físicos, sua presença é virtualmente ignorada pelos colegas, até que a sua vida se cruza com a de Nathalie (Audrey Tautou), uma jovem e bonita executiva que mergulhou no trabalho para suportar a dor da viuvez, o objeto de desejo do diretor geral da companhia, que se encantou com a moça antes de contratá-la, quando ela ainda não havia sequer se casado.

O filme, dos irmãos David e Stéphane Foenkinos, começa obviamente com a história de amor entre Nathalie e François, o encontro em um café, o primeiro beijo e o ritual repetido a cada ano de reviver os momentos em que os dois se apaixonaram, até a dor profunda com a morte do rapaz em um acidente. Aí começa o filme. Pouco disposta a ter uma vida social nos três anos que se seguiram à viuvez, Nathalie cozinha em banho-maria o seu chefe, que mesmo com o assédio constante, é uma companhia que não lhe causa desconforto, uma vez que ela só enxerga o trabalho.

A história se concentra na relação de Nathalie com o patrão, com a sua melhor amiga e com os familiares, todos, ao seu modo, tentando trazer de volta o interesse da moça pelas coisas da vida. É quando a presença de Markus muda o rumo da história. Um beijo inesperado leva a executiva diretamente ao coração do sueco, que vai penar para conseguir atrair o interesse de sua chefe e, principalmente para lidar com o modo pelo qual a sua feiura é recebida pelos outros agora que ele está conseguindo colocar um sorriso no rosto de Nathalie.

A Delicadeza do Amor é um grande filme porque, ao mesmo tempo que consegue emocionar com a dor de Nathalie e a insegurança de Markus, mostra o poder de pequenas coisas, quando feitas na hora certa. Em regra, a aproximação entre as duas personagens não sería verossímil. Mas no momento vivido por Nathalie a leveza e o bom humor do sueco ganharam uma dimensão que deixa a beleza em segundo plano. E os irmãos Foenkinos contam, com preciosa delicadeza, cada momento dessa história em que um homem feio e inseguro tenta amar e aceitar o amor de sua chefe bela e temperamental.